segunda-feira, janeiro 28, 2008


Visita ao paraíso


Bom dia, amigos!
Estou aproveitando meus últimos dias de férias para atualizar meu blog com mais freqüência, e, por tabela, fotografar. Na semana passada visitei o Jardim Botânico do Rio de Janeiro, um verdadeiro espetáculo da natureza na meio da selva urbana. É impressionante como você fica imerso em outro mundo, mesmo estando a alguns metros do caos da cidade. O silêncio, o verde e o cheiro de natureza são elementos que embriagam as mais urbanóides das criaturas.


Bom, esta não foi a primeira vez que fui a este santuário para fotografar. Já havia estado lá há dois anos mais ou menos, mas fui com menos recursos. Desta vez, pude ir um pouco mais equipado, para tentar extrair um pouco mais das belezas do local. Ainda não consegui fazer tudo que queria, mas confesso que só estar lá já vale a "viagem". Tendo aumentado a minha gama de possibilidades com duas lentes extras, um tripé e o filtro polarizador, parti para o Rio com toda esta parafernália. Pesa bastante, mas compensa. Fotógrafo é assim mesmo; se quer ter o melhor resultado, tem que suar.


Na vez anterior que visitei o Jardim Botânico, topei com um problema que para os menos experientes seria um ponto positivo: excesso de luz solar. Quando daquela vez, o céu estava aberto, e o sol brilhava intensamente. Isto é suficiente para criar contrastes muito fortes, dificultando a leitura correta da luz. Resultado: áreas de sombra muito escuras e altas luzes quase que estouradas, sem detalhes. Desta última vez, escolhi um dia nublado, para que as nuvens servissem de difusoras da luz solar. O resultado é uma luz muito mais uniforme, com menos contraste e que produz sombras muito mais suaves. Juntando-se a isto, o polarizador ajudou - e muito - a reduzir os reflexos da luz nas superfícies, sobretudo das folhas, trazendo a saturação de suas cores à tona. Enfim, tudo parecia estar a meu favor.Das milhares de possibilidades fotográficas do lugar, uma que muito me chamou a atenção foram os lírios dos pequenos lagos que você pode encontrar aos montes. Estas flores têm uma cor viva, que contrasta bastante com os verdes e marrons do resto da cena. Nesta última incursão, munido da minha Zenit 12XP e equipado com uma teleobjetiva curta de 135mm, consegui captar mais detalhes destas belas flores por conseguir uma imagem mais ampliada do assunto. Embora a lente não fosse capaz de me dar o resultado 100% como queria, a ampliação por ela gerada foi suficiente para me satisfazer. Para atingir os 100% que desejava, minha lente teria que cobrir uma distância focal maior, do tipo 200mm ou mais, e, de preferência, ser macro. Mas aí também já estou querendo muito!


Das várias fotos que tirei, esta foi uma que gostei bastante, muito pelo contraste das cores de do padrão constituído pelas folhas redondas no lago. Para conseguir esta imagem, abaixei-me quase ao nível do lago, e usei uma abertura do diafragma grande o suficiente para manter o fundo levemente desfocado, sem sacrificar muito a nitidez da imagem. Por incrível que pareça, meu maior inimigo durante a sessão de fotos foram os malditos mosquitos. Nem fome, nem sede, nem calor. Somente as porcarias dos mosquitos.


A expedição pelo Jardim Botânico rendeu bons frutos de fato, e serviu para reiterar meu gosto pela fotografia de natureza. Os elementos de um cenário fantástico como o Jardim Botânico não precisam ser pagos, não reclamam de fazer pose e estão sempre dispostos a ser fotografados. Quando conseguir os últimos apetrechos para meu equipamento ficar completo para este tipo de fotografia, fiquem ligados; logo logo um outro álbum aparecerá, com mais detalhes ainda. Um abraço e voltem sempre.

Um comentário:

Cecilia disse...

Rodrigo!!
gostei muito dos seus sites de fotografia.
lindas as fotos!!!
aproveite esse seu talento também.
:D

Beijos
cecilia