quinta-feira, novembro 22, 2007



Olá, amigos leitores!


Depois de um longo jejum, volto com um novo post aqui no blog. Desculpem-me pela longa ausência, mas ando muito ocupado, e até minha atividade fotográfica andou meio posta de lado. Portanto, não se preocupem se eu sumir por algum tempo; uma hora eu volto.

A foto que posto hoje foi uma tentativa despretensiosa que me rendeu bons frutos. Minha Zenit estava carregada com um rolo do Fuji Superia Reala, um negativo fantástico em todos os sentidos, e eu queria muito fazer uma foto de exposição longa com ele. Quem já conhece minhas odisséias fotográficas sabe que eu topo com várias dificuldades técnicas para compor minhas obras - pouco tempo para fotografar, dificuldade para me deslocar para novas locações e principalmente, meu ridículo tripé - mas as adversidades não são mais fortes do que minha vontade de produzir.

Então, lá fui eu para a praia de Icaraí tentar alguma foto diferente das que já fiz, pelo menos em alguns quesitos. Já passava das 18h, então o sol já havia se posto, mas ainda havia uma fraca luz no céu, com algumas cores interessantes. Geralmente eu evito fazer fotos de exposição longa com o céu totalmente enegrecido, pois acho-as meio enfadonhas, sem sal. Aquela luzinha fraca deu um tom interessante à minha composição, então decidi que aquele era o momento de captar aquela atmosfera. Para conseguir uma perspectiva mais "apertada", vi que o que deveria fazer seria usar minha teleobjetiva de 135mm, a ISCO-GÖTTINGEN Berolina Westromat, para produzir tal efeito. Contudo, um empecilho me azucrinava: o peso final da combinação câmera + lente era extremo, algo em torno de 1400g, o que fez meu tripé de alguns míseros centímetros suar frio. Pus o equipamento sobre a calçada da praia, tendo uma noção do que a lente iria captar naquela posição, pois não podia ver pelo visor da câmera, devido à sua posição tão rente ao chão. Segurei a borboleta que aperta o pino de encaixe do tripé, prendi a respiração e apertei o cabo disparador. Fiquei algo em torno de 30 segundos assim, inerte, para conseguir o máximo de estabilidade durante a exposição, e, por sorte ou não, funcionou. Ao mandar revelar o rolo, fiquei encantado com o resultado: a combinação das luzes naturais do céu e as artificiais que iluminam a praia no fim-de-tarde deram um efeito colorido incrível, e como a exposição foi longa, o mar ficou com aquele aspecto de névoa que confere uma atmosfera mágica à foto. Resultado: ao postá-la no Flickr, ela foi parar no Explore, o que achei muito encorajador, uma vez que entre as milhares de fotos postadas todos os dias no site, 500 imagens "crème de la crème" são selecionadas para figurar no Explore, e esta minha foto ficou em oitavo lugar na semana. Legal, né?

Portanto, esta experiência me serviu de incentivo de luta contra as adversidades. As coisas podem parecer difíceis de ser alcançadas, mas nunca impossíveis. Tripé tosco, falta de posição, impossibilidade de ver através do visor... nada disso me impediu de tentar. E o resultado é este aí. Espero que gostem.

5 comentários:

Tábata disse...

nossa! adorei isso!
parabens pela otima foto!

Gui disse...

Fala Rodrigo!
Demais teu blog!

Ta anotado aqui..sempre que puder darei uma visitada!!!

Grande abs!

Rodrigo N. disse...

Valeu, amigos! Devagarinho vou voltando à atividade... andei um tempo bem enrolado, mas estou achando umas brechinhas para exercitar-me, heheheh!

Abraços a todos!

Ciça Fernandes disse...

Nice Picture!
;D
A vista é linda..
é uma pena que nem todo mundo aproveitae tira foto como vc fez.

see ya

byebye

Cesar Russo disse...

Incrível !!!!!!