sexta-feira, abril 13, 2007


O VELHO E O NOVO

Boa tarde, amigos leitores!
Embora tenha começado minha incursão pela fotografia há pouco mais de dois anos, ainda não tive uma das experiências mais intensas desta arte, que é revelar meu próprio filme. Antes de continuar o texto, é necessário explicar que revelar o filme não é o que você faz naquela lojinha do shopping para ver suas fotos. O que acontece lá são dois processos: o de revelação e o de ampliação. Revelar um filme é o ato de fazer a imagem latente do negativo aparecer, e não passar a imagem para o papel. Essa segunda etapa é o que chamamos de ampliação. Portanto, quando falo em revelar o meu filme, refiro-me a este processo, não àquele.Outro detalhe importante é que o processo é mais fácil quando se trata da revelação de uma película em P&B. A revelação de negativos coloridos é mais laboriosa, sendo posta de lado, para quando você já tiver experiência suficiente em P&B. Muitos fotógrafos até dizem que não vale à pena revelar seu filme colorido em casa, pois sai mais caro do que em um minilab. O contrário pode ser dito do P&B, pois o processo é sempre todo manual, e não automatizado, como no caso dos negativos coloridos. Esse trabalho artesanal acaba saindo mais caro se não for feito por você mesmo. Encontrei, por enquanto, duas saídas: uma é usar o filme BW400CN da Kodak, que pode ser revelado em minilabs comuns em papel para fotos coloridas, pelo processo automatizado, gastando o mesmo dinheiro que na revelação de um negativo colorido. Entretanto, isso tem um preço: o papel colorido não tem a vasta gama de tons de cinza que o papel para fotos em P&B tem, e o filme propriamente dito foi designado para fotografia social, ou seja, seus tons de cinza não apresentam o contraste elevado que os filmes P&B "reais" têm. A outra saída consiste em converter uma foto colorida para P&B através do Photoshop, onde é possível emular a gama de cinzas do filme, embora isso dê tanto trabalho quanto revelá-lo. E essa foi a opção que fiz para a foto de hoje.

Vocês já viram milhares de fotos do MAC, não há novidade nisso, mas nessa foto tentei fazer uma abordagem diferente, pois convertê-la em uma foto P&B traz um ar de nostalgia, de foto antiga, quando na verdade o que está retratado nela é uma maravilha da arquitetura moderna. A linguagem da fotografia nos permite mostrar o inusitado sem palavras, apenas com a imagem; dessa forma, a relação paradoxal da antiguidade/modernidade é transmitida em uma leitura visual que não nascera intencionalmente, mas da experimentação.Agora, cá pra nós, dá um certo trabalho converter uma imagem colorida em uma P&B que pareça foto P&B "real". À primeira vista, muitos podem achar que é só reduzir a saturação de cores a zero e pronto: lá está sua imagem em P&B, linda. Ledo engano. Ao fazer isso, você apenas transforma sua foto colorida em uma insossa foto sem cores. Fotos reais em P&B muitas vezes - ou praticamente sempre - se beneficiam de filtros coloridos, para fazer aquela cor do filtro se destacar das outras na cena. Uma foto de árvores, por exemplo, fica muito mais interessante quando feita com um filtro verde, pois este filtra esta cor, criando diferenças nos tons de cinza, como há diferenças nos tons de verde na cena real. Sem o filtro, todas as árvores pareceriam ter os mesmos tons. Quando você tira a saturação da imagem colorida, a foto se comporta como uma P&B tirada sem filtro nenhum. Na verdade um pouco pior, pois os contrastes do filme P&B são mais ricos. Por isso o uso do Photoshop ajuda muito a melhorar esse quadro, pois é possível misturar canais de cores em uma imagem monocromática, criando um efeito parecido com o que os filtros proporcionam. E foi isso que fiz para conseguir a imagem de hoje.

Nessa foto do MAC eu usei um polarizador, que escurece o céu e cria um contraste maior entre o azul dele e as nuvens, clareando-as. Em foto P&B, é muito comum não só o uso do polarizador, mas como também o do filtro vermelho, que escurece sua cor complementar, o azul. Um polarizador conjugado com um filtro vermelho pode escurecer o céu ao ponto de ele ficar totalmente negro. Esse efeito pode ser muito útil para criar dramaticidade, inclusive transformar um belo céu azul com nuvens branquinhas em um céu tempestuoso, de nuvens contrastantes. Tentei emular esse efeito de dramaticidade convrtendo a imagem original colorida usando o misturador de canais do Photoshop, que imita bem o uso do filtro vermelho. O resultado ficou parecido, embora dizem ser possível ficar igual ao da película; entretanto, isso exige um nível de conhecimento de Photoshop muuuuuuito maior do que meus parcos passos. Mas eu gostei do que saiu.

Vocês não perdem por esperar meus primeiros resultados com filme P&B de verdade. Prometo não decepcionar, rsrrsrs!

3 comentários:

Marta disse...

Eu amo foto P&B!!!
Sempre que vou mexer em alguma foto, minha mão coça pra colocar em P&B!!
Eu também gostei do que saiu!! rs...

Pergunta: é muito caro montar um lugar pra revelar P&B em casa?

Rodrigo N. disse...

Olá, Martinha! Obrigado pela visita!
Quanto a revelar P&B em casa, não é caro; é um pouco laborioso. O que é caro é ampliar, ou seja, passar para o papel. O que pesa, neste caso, é o ampliador e os tanques para a revelação e fixação das cópias. Apenas revelar o filme não é tão difícil e caro - pelo menos é o que dizem!
Bjos

Allan Donnola disse...

Po só esta faltando vc colocar um gedget para nós podermos acompanhar você pelo blog